Spread the love

As fintechs estão definitivamente revolucionando o mercado atual. Este termo é utilizado para se referir as startups voltadas a serviços financeiros, baseados em tecnologia. 

Através da identificação de problemas e oportunidades existentes no mercado financeiro tradicional, as fintechs vêm com a proposta de solucionar.

A promessa é mudar totalmente a forma como nos relacionamos com o nosso dinheiro até hoje. Um dos seus maiores diferenciais é o foco no cliente, e não no produto, o que pode ser facilmente percebido pelo consumidor e faz toda a diferença na experiência do usuário. 

O mundo mudou, e com ele mudaram também a forma como consumimos. Hoje o mundo respira informação e dinamismos, as soluções têm que ser rápidas e eficazes. Por isso o número de aplicativos, os famosos apps, nunca foi tão frequente. 

As startups já são reconhecidas pelo forte uso das estratégias de marketing digital. Presença intensa nas redes sociais, contato próximo e pessoal com o usuário, facilidade de comunicação, tudo isso foi aproveitado e incrementado pelas fintechs, virando uma verdadeira febre na internet. 

É por isso que elas têm conquistado algo que a maioria dos bancos jamais conseguiu: a apreciação do público. O apelo jovem é muito forte, mas isso tem mudado e hoje a cartela de clientes adeptas e interessadas nesse tipo de serviço já é ampla e diversificada. 

Se você já está convencido de que as fintechs são uma realidade promissora, tem uma grade ideia e quer transformá-la em sucesso, confira abaixo 9 dicas para montar a sua própria fintechs. 

1- Oportunidade

Idealizar e gerir uma startup exige muito mais do que uma necessidade, do tipo “se recolocar no mercado de trabalho”. É algo trabalhoso e intenso. Por este motivo, este tipo de empreendimento deve ser movido por uma oportunidade de mercado, e não por uma necessidade individual. 

2- Trabalho árduo

É uma grande ilusão pensar em ter sua própria startup apenas para “fazer seu horário de trabalho”, “não ter chefe chato” ou “ficar rico”. É claro que a ideia final de qualquer empresa é sim a geração de riqueza. Mas esteja certo que isso está de acordo com os seus valores, sonhos e objetivos, e que os resultados não serão nada mais do que o fruto do seu trabalho. 

3- Conhecimento de mercado

Entenda profundamente do mercado que pretende atuar. Em especial o mercado financeiro envolve uma série de leis, regulamentação e riscos. Portanto, é indispensável conhecê-los antes de qualquer coisa. 

4- Feedback

Valide a sua ideia e apresente-a as pessoas a sua volta, seja família, amigos ou especialistas no assunto. Peça um feedback honesto e aceite as críticas, aperfeiçoando a ideia antes de lança-la.

5- Equipe

Ninguém faz nada sozinho. Apesar de serem quase sempre empresas inicialmente pequenas, é importante contar com uma equipe qualificada para dar corpo ao seu negócio. 

6- Sensatez

Evite focar o seu negócio num mercado muito amplo ou demasiadamente pequeno. Equilíbrio e sensatez são as palavras-chave. Ainda que seu plano vise atuação nacional, talvez seja melhor começar de maneira mais localizada. 

7- Metas

Defina onde quer chegar, para então traçar o melhor caminho. Sabendo as metas e objetivos, fica mais fácil trabalhar com KPIs e acompanhar os resultados, corrigindo caso necessário e voltando tudo aos eixos. 

8- Parcerias

A mesma máxima da equipe volta a valer aqui: ninguém faz nada sozinho. É preciso desenvolver parcerias a longo prazo, tanto tecnológicas, como o desenvolvimento website, quanto mercadológicas. 

9- Continuidade

Se você seguiu todo os passos até aqui com tranquilidade, sua fintech tem tudo para dar certo. Continue trabalhando duro e se prepare para quaisquer adversidades que possam surgir. 
Artigo desenvolvido em parceria com a Agência Oblige.


Leave a Reply

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *